sexta-feira, 28 de maio de 2021

Ah! Esse tanto amar


Quando se ama qualquer lugar serve
Para sentir saudade. Eu te amo... qualquer
Sorriso que dás ilumina minha alma.
Te amo tanto que entre ser a medida certa
E não ser nem menos e nem mais é apenas dizer:
És minha vida. Nunca amei assim, por isso, talvez,
Meus erros, se é que te fazer meu mundo, é um erro.
Me vesti de ti sem medo, sem temor de me fazer teu,
Sem medo do ridículo que, se tiver que chorar
Para que não chores, choro todo meu pranto pra ti.
Te amo, e se a eternidade dos nossos momentos
Se fizer de sempre, ainda assim não saberás
O quanto te amo. Porque até minha alma...
Se faz tua. Nunca haverá um espaço onde não
Possas estar.   

José João
28/05/2.021


Coisas da alma

                                                    A mim não importa que seja doída a saudade 
Quero apenas saber-te ainda dentro de mim
Que tua ausência, possa até ser verdade
Mas que minha alma te seja sempre abrigo assim

Assim como se fosse um terno jardim a abrigar-te
Sempre disponível a fazer-te em mim completa
A te dar meus sonhos e a própria vida entregar-te
Atentando-me a ser, pra te, apenas a medida certa

Dou-me, sem medo, a essa toda saudade de te
Não importando que com ela chegue os prantos
Eles penas me contam uma história que vivi

Todos os meus cantos gritam essa falta tua,
E faço versos, perfumados com teu perfume
Enquanto a alma a te se entrega plena e nua

José João
27/05/2.021

quinta-feira, 27 de maio de 2021

O pranto e o canto

Lá no horizonte, lá longe, o dia começa a acordar,
Espreguiça-se lentamente e começa a  espalhar-se,
As estrelas começam a perder o brilho... escondem-se
Dentro do dia e vão indo, sumindo...sumindo,
Um sabiá chora saudoso, num gorjear triste, uma saudade,
Parece que na noite, estava acordado compondo um canção
Cheia de paixão e tristeza, talvez tenha sonhado uma perda.
Mais e mais o dia vem chegando, preguiçoso, sem pressa...
E bem devagar acorda o tempo que estava deitado na madrugada.
Acordo, ainda sonolento, olhos quase ainda fechados...
E me ponho a tentar lembrar um sonho que nem sei se sonhei.
O sabiá e seu trinado melancólico não me permitem pensar,
Esqueço o sonho (que nem sei se sonhei) e fico atento ao gorjear
Como se quisesse, por pura loucura, traduzir tão triste canto.
Parece que a dor que sente é tão intensa que seu lamento
Mais parece um oração, um oração que gostaria de saber
Rezar. Me entrego ao devaneio, e tento, como o sabiá,
Sentindo uma saudade só minha, cantar um canto que, talvez,
Traduza a tristeza que também sinto, mas não sai um canto,
Sai um soluço cheio de reticências, na verdade, são meus olhos
Que cantam com a voz do pranto, onde cada lágrima 
É um nota triste, como se fosse cada trinado choroso do sabiá .

José João
27/05/2.021


quarta-feira, 19 de maio de 2021

Eu!! Uma história que inventaram

 Sou aquele sozinho que todos acham triste
Aquele que chora desde quando ficou vivo
Sou a própria solidão que tanto insiste
Em me deixar sozinho e a ela ficar cativo

Sou aquele que anda na multidão e não é visto
Que grita a dor da alma e por ninguém é ouvido
Sou o nada, que por nada ser até insiste
Em viver, mesmo já sem ter qualquer sentido

Sou menos que eu mesmo, sou apenas o meu grito
Que sai do peito como louco, procurando aflito,
Qualquer sonho que o faça fazer-se de infinito

Sou, enfim, o mais esquisito sonho que sonharam
O sonho que se sonhou mas que nunca é lembrado
Sou, talvez, apenas uma história triste que inventaram

José João
19/05/2.021

sábado, 15 de maio de 2021

Viver o que nunca vivi

Hoje vejo os amanhãs no teu rosto.
Ah! Meus sonhos, quase nem eram sonhos...
Eram pensamentos perdidos que loucamente
Buscavam no tempo momentos que a alma
Insistia em querer viver. Tudo era tão distante!
Os sorrisos se perdiam em meu rosto triste,
O olhar, perdido em horizontes, como orações
Que se reza e pede que os olhos as leve além,
Onde a vista alcançar, onde se pensa estar 
Mais perto de Deus. Histórias com fins tristes,
Esperanças mortas, angustias e um difícil viver.
Mas um dia minhas orações foram ouvidas,
Hoje meus sorrisos insistem em ser sorrisos,
Alegres, brincando no rosto de iluminar a alma,
Hoje eu tenho dias e não apenas tempo,
Sonhos cheios de verdades, de sentimentos
Que se atropelam para acontecer primeiro,
Hoje vejo os ontens que não soube viver
E não choro mais, vejo os amanhãs que se abrem,
Aí choro pela emoção de viver o que nunca vivi.

José João
15/05/2.021


Somos assim

Até parece que você está dentro de mim
Do nada ouço tua voz, vejo teu sorriso
Como se o tempo se preocupasse apenas 
Em te dar pra mim ou me dar pra ti.
Minha alma parece te procurar em tudo,
Em tudo que é belo, uma flor, e nela te vejo,
No gorjeio do pássaro que insiste em cantar
Na minha janela, ouço tua voz, até a brisa
Voando lenta e carinhosamente no jardim
Me lembra tuas carícias, enfim, tudo de belo
Que me cerca, nele tu estás. Brinco contigo
Nos meus pensamentos, rio contigo
Nas coisas que faço, paro no tempo apenas
Pra te ouvir, pra te sentir, pra sonhar contigo
Mesmo acordado. Ah! Como estás dentro de mim!
Que saudade essa de ti! As quatro de beijo
As seis é uma saudade assustadora de ti, 
Na rua grito teu nome... é a loucura dos amentes 
E se me chamam de louco, rio eles não sabem
O que é amar...rsrsrs

José João
15/05/2.021

Deixei de ser eu para ser... nós

Meu mundo! Era cheio de vazios, era triste,
Corria entre os canteiros mortos, sem flores,
Ou se existiam não as via. Percorria caminhos
Que não levavam a lugar nenhum, mas ia...
Vergado sob peso da solidão, do nada ser...
Nem sonhos tinha e os que sonhei tinham ido,
Perdidos no tempo sem deixar rastros...
Mas os anjos... os anjos existem, risonhos,
Alegres, rindo de nossas loucuras ridículas
E nos ensinam quando dizem: estou aqui...
Toma minha mão e vamos juntos... vem,
Quero te mostrar a beleza de viver... assim
São os anjos, e esse que me tomou pelas mãos,
Um anjo mulher, me leva pelas tardes, agora
Risonhas, por caminhos floridos, por horas
Que se fazem eternas por tanta emoção vivida.
Um outro mundo, onde os olhares se cruzam
Para que não se precise de palavras para dizer
Te amo, elas se fazem poucas para o que somos.
Deixei, prazerosamente de ser eu, para ser nós...

José João
15/05/2.021

Chorar.... pra quê?

   Quantas vezes fui iludido pelos meus próprios sonhos!!
Quantas vezes meus sonhos a mim me mentiram!
Me fizeram chorar perdas do que nunca tive, apenas sonhei.
Foram tantas ilusões criadas por um alma carente
Que, perdida, sonhava suas vontades como se fosse verdade
E delas fazia histórias e a si mesma se fazia ouvir.
As vezes, no silêncio da noite, me deitava no tempo,
No colo da solidão e ali ficava até a madrugada dar bom dia.
As vezes ouvia o grito do silêncio gritando meu desespero
Outras vezes apenas sussurrava nomes que eu nem sabia.
Ah! Quantas vezes chorei com a brisa... se fazendo voz
Para acalentar minha angustia e me fazer ... sonhar...
E... criava os sonhos que precisava para preencher o vazio
Que a alma gritava chorando não poder mais suportar.
Escondida num canto qualquer do tempo... a tristeza
Esperava, ansiosa, pelas lágrimas, e torcia para ser pranto,
Que caísse copioso marcando a face com marcas tristes
Como fossem poemas escrevendo no rosto minha angustia.
Mas... agora, não me preocupam mais os sonhos...
Aprendi que viver é muito melhor que sonhar e... chorar
Pra quê? Não vai mudar o que passou.

José João
15/05/2.021

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Todos os caminhos me levam a ti.

Todos os caminhos, querida, me levam a ti.
Eu, que não os tinha, que andava    
Com passos cansados, sonhos mortos, sorrisos
Sem cor. Rezava orações que inventava,
Gritava nomes que não conhecia... nem sonhos
Tinha mais, perdi o desejo de sonhar, de viver.
Agora, amor. todos os caminhos me levam a ti,
São teus os meus pensamentos, minhas verdades...
Meus momentos, os sonhos (só sei sonhar
contigo), todas as minhas vontades, tudo, só teu.
Minha alma te grita entre feliz e ansiosa...
Te manda beijos pela brisa, pelas estrelas,
Faz de teu nome oração para rezamos juntos,
Sorri com teu sorriso, canta com tua voz...
Se entrega toda à tua vontade, ela é só tua.
Agora não nos perdemos mais, aprendi
Que todos os caminhos me levam a ti.

José João
13/05/2.021

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Como preciso de você!!


Não sei se é de chorar que preciso agora,
Embora as lágrimas insistam em brincar
Nos meus olhos. Não sei se posso gritar
Com meu silêncio toda essa saudade!
Amanhece lá fora, aqui, dentro de mim,
Tu estás como se nunca tivesses ido,
Uma ansiedade incontida, uma vontade
De ir não sei pra onde, de correr,
De não ficar, mas onde eu estiver
Essa falta de ti dói tanto... tanto, que
Tua ausência me sufoca, a falta de ti
Me deixa, sem rumo, inerte, uma dor
Mais dolorida que qualquer dor, me toma,
Te busco e grito dentro de mim,
Fecho os olhos, te sigo nessa tanta distância,
Voo contigo em pensamento, te sigo
Nesse caminho sem chão por onde vais,
Ah! Como te amo!! Te amo!! Te amoo!!
Se visses minha lágrimas agora, saberias
Da saudade que deixaste dentro de mim.

José João
12/05/2.021

Uma poesia que estou aprendendo ler

Sei que as vezes é difícil entender o sentido
Da vida, as coisas que, de repente, ela nos traz
E, sem que se queira, ou pelo medo de se perder
O que só agora a vida permite, vamos além
De um apenas querer. Tudo se faz pra ontem
E a alma voa em sonhos que ela nunca sonhou.
Por vezes, como dizes, vou além de nós, mas...
Coitado de mim, ainda sou um pequeno aprendiz...
Não entendes que tu és a poesia que ainda estou
Aprendendo ler? Que me perco, como todo
Aprendiz, nas entrelinhas da poesia que és?
Que ainda não sei ser a medida certa, nem ser
Muito, nem ser pouco, apenas me entrego
Na leitura de uma poesia (você) que ainda
Estou aprendendo ler. Não sei até quando,
Mas acho que sempre me serás uma poesia
Que tem um começo, um meio mas...
Nunca terá um fim. Por isso meus erros,
Ainda estou aprendendo ler a poesia  que és.
Mas de uma coisa eu sei, mesmo sem te saber
Todos os versos ... te amo.

José João
12/05/2.021

terça-feira, 11 de maio de 2021

Te amo

Te amo, como se fosse um sonho
Como os tantos que sonhei te procurando,
Te buscando em lugares que nunca fui,
Em horizontes que nunca vi... ti procurei,
Te pedi nas orações que rezava, com lágrimas,
Com prantos, no silêncio de dentro de mim
Onde minha alma, sem saber, gritava teu nome.
Te amo mas não sei dizer o quanto, as palavras
Ficam tão poucas quando quero falar de ti,
Ficam pequenas pra dizer tanto, desespero...
Como posso dizer te amo na plenitude
Do que sinto? Talvez meus olhos saibam,
Porque te olham como se fosses luz,
Que ilumina, que me acompanha. Te amo...
Te amo e em cada momento te tenho comigo,
Dentro de mim fazendo eterno cada instante
Que penso em ti... te amo, como nem tu
Sabes o quanto

José João
11/05/2.021

Poesia... pedaços da alma.


Aprendi, sei ler as poesias, nos versos,
Nas entrelinhas. Ela, a poesia, as vezes
Se faz tão difícil de se ler, mas aprendi.
Algumas vezes se faz triste, outras, sorri
Entre os versos, entre as rimas...
Que triste seria se não soubesse ler...
A poesia que grita nos versos sua vontade...
Seus desejos e até carências... a poesia
É viva, é alma, é corpo é até...desejos
Ah! Essas poesias! Poesias que encantam...
Que não se preocupam em fazer chorar
Tanto faz, lágrimas pequenas ou prantos...
São apenas inocentes poesias que voam
Como fazem os pássaros, que perfumam
Como fazem as rosas...poesias!
Que buscam sonhos, saudades perdidas,
Até o sabor de beijos que nunca foram dados.
As vezes trazem remorsos dos tantos nãos
Que dissemos, sem nem saber o  porquê.
Mas, afinal, são poesias, pequenos pedaços
Da alma da gente que estava escondida
... dentro da gente mesmo.

José João
11/05/2.021


Me ensinaste amar.


Tu me ensinaste a amar, na plenitude do amar...
Me ensinaste a sorrir com o sol, gritando te amo.
Me ensinaste a chorar lágrimas alegres quando
De dentro de mim fazes que o pensamento seja só teu,
Me fizeste ver que os detalhes são tão importantes
Que se tornam história. Tu me ensinaste a amar...
A sentir saudade e nela murmurar teu nome, baixinho
Como se fosse um segredo, em mim te fazes ternura,
Te fazes meus sonhos e minhas mais bonitas verdades...
Me ensinaste a amar, a fazer minha alma buscar a tua,
Correr entre as horas com uma alegria de criança...
Me ensinaste a cantar, até versos que invento,
A declamar poesias que parecem orações com teu nome
Se amar é assim, não sei se um dia amei, sei, que agora,
Me ensinaste a amar... 

José João
11/05/2.021

Eu... sem você


Como dói a distância! Sentir tua saudade
É  chorar com a alma, é ter vontade de gritar,
Correr, ir, mas  ir ou ficar é sempre o mesmo,
Não importa o lugar, a saudade é a mesma,
Os momentos se fazem lembranças vivas
A alma grita, os olhos choram e tudo
Se faz tão vivo dentro da mim! Até pensar
Dói, e uma angustia trazida pela distância
Faz o coração bater mais forte e mais triste
Chorando comigo tua ausência. Um buscar
De sonhos, dos momentos, todos eles,
O sentir teu corpo, teu respirar, tua pele
Macia me dizendo vem... tudo agora se faz
Saudade, e dói. Não tem como não sentir
Essa falta de ti,  não tem como não chorar
Tua ausência... não tem como ser eu,
Assim... longe de ti.

José João
11/05/2.021

Te mando eu

A mim dizes: me manda um oi. Como um oi?
Se a ti te mando o mundo em meus versos
E ainda é pouco, te mandaria estrelas se pudesse,
Te mandaria o próprio  tempo a guardar nós dois,
Se todas as palavras com as quais te falo de amor
São tão poucas, tão pequenas, Como te mandar
Um Oi? Apenas um Oi? Ora, se a ti te mando
Todos os meus sonhos, todos, e são muitos...
Mas pra te ainda são poucos, meus pensamentos,
Saem por aí no tempo, na distância, aos gritos
Chamando teu nome, te procurando onde estás,
Mas... ainda são poucos e olha que penso em ti
A todo instante, só não quando estou dormindo
Nessa hora não penso em ti, te sonho por toda noite...
E me pedes que te mande um oi. te mando eu,
Vestido de ternura todo e só pra ti.

José João
10/05/2.021

segunda-feira, 10 de maio de 2021

Chorando ou sorrindo a poesia...

 


Meus versos, por vezes, faço brincando,
Outras vezes faço sorrindo, mesmo sorrisos
tristes. Também escrevo versos chorando
Com as lágrimas nos olhos se derramando.

Meus versos são histórias de vida ardente
Histórias que jamais poderiam ser esquecidas
Versos que, por vezes, mostram algum encanto
Ou... chorados, sem que haja razão de pranto

Tantas foram as saudades velhas e esquecidas!
Tantas são as saudades ainda vivas e sadias!
Que me perco chorando em confissão sentida...
Todas fizeram ou fazem parte de minha vida 

Em versos costurados com angustias alucinantes
Deixo que o som rouco da poesia triste se faça voz
E em desespero, corro sempre com passos bêbados 
Buscando sorrisos que me escondam dessa aflição atroz

José João
10/05/2.021

sábado, 8 de maio de 2021

Hoje e ontem

Ontem... ontem eu cantei poemas sem rimas,
Poemas alegres, despreocupados de mim,
Poemas de palavras perfumadas, inocentes
Na doce inocência de uma beleza sem fim.

Todas as poesias que escrevi ontem, acreditem,
Eram da cor da luz, tinham leveza do beija- flor
Os versos, de tão sorridentes, até se faziam ouvir
E, de alegria, as lágrimas se punham a sorrir

Hoje, os versos preocupados e sem perfume
Com uma louca e irreverente vontade de gritar
Se punham em agonia... sem nada para contar

Me senti entre sonhos e saudades perdidas
Me vi nos momentos que estavam esquecidos
E as lágrimas tristes, choravam no chão caídas

  José João
08/05/2.021
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...