quarta-feira, 17 de julho de 2024

Enquanto eu puder sonhar...

 Os anos passam... os cabelos embranquecem,
Os ombros se curvam pelos passar do tempo,
A voz fica reticente como se as palavras pesassem
Passos lentos, andar incerto, olhar desatento...

São tantas as saudades! Chegam sem se esperar
Algumas trazem sorrisos misturado com lágrimas
Outras embargam a voz... trazem apenas prantos
E fica difícil encontrar o que um dia foi encanto

Eu! Fico sentado, olhando fixo na porta do tempo, 
Que me leva a tantos momentos antigos e passados,
Que me deixam olhar os amanhãs, pelo menos tento

Mas ao tempo, mesmo com sua essência assim, imutável
Digo bem alto, com a força que a alma pode gritar:
Ainda tenho muito a fazer enquanto tiver o que sonhar

AMCL: Academia Mundial de Cultura e Literatura
Acadêmico: J J Cruz
Cadeira: 28
Patrono: Antero de Quental
Postagem de: 16/07/2.024 

segunda-feira, 8 de julho de 2024

Flores, cálice e lágrimas.

Havia um pequeno jarro sobre a mesa
Um jarro sem cor, cheio de lágrimas
Eram as lágrimas tristes, choradas, 
Eu acho, que por muita saudade,
Na verdade, mais parecia
Um pequeno cálice
ou uma taça?
um copo!
Em um 
jarro
teria
rosas
lírios
zinia
cravo
dália
lótus
Mas lágrimas! Num jarro
Quem choraria tanto assim?

José João
08/07/2.024

Jesus, os homens ficaram mais cruéis!


Jesus, regaste o chão com teu divino sangue
Para apagar os pecados dos tantos pecadores,
Mas estes, como ainda hoje, tão mesquinhos
Te puseram uma coroa de pontiagudos espinhos

Te puseram numa cruz, indiferentes à tua dor
Te cravaram pinos nas tuas mãos e nos pés
Como meros algozes desprovidos de razão
Assim como são, até hoje, os tantos infiéis

Mas Jesus, ainda hoje o mundo é frio, é ermo
Os corações sucumbiram pela falta de sentido
Te expulsaram, Jesus, e o homem ficou enfermo

Perderam o senso, a crueldade os tomou de assalto
Estão bem piores que aqueles que te profanaram
Hoje, te crucificariam e arrastariam teu corpo no asfalto

José João
08/07/2.024

domingo, 30 de junho de 2024

Artista? Louco ou sonhador??!!

 Eu!! EU SOU ARTISTA!! Faço lágrimas sorrirem...
Brinco comigo mesmo se estou triste, até chorando
Corro entre saudades, delas faço desenhos coloridos 
Finjo chorar minhas dores, a dos outros choro brincando

Conto minhas histórias em poesias rotas e sem rimas 
Costuro minhas saudades em folhas que o vento leva,
Os sonhos... alinhavo em nuvens que se vão ao tempo
E os deixo soltos, volteando leves, levados pelo vento

Sou deveras um artista, pulo cordas com linhas de tristeza,
Inventei outra maneira de brincar com bolhas  de sabão
Ponho dentro delas, das mais coloridas, pedaços de solidão

Que se vão como fossem plumas, lentamente sobem ao céu
Voam lentas, brilhando sob um sol que eu mesmo desenhei.
Para passar o tempo, faço esculturas de nuvens em folhas de papel

AMCL: Academia Mundial de Cultura e Literatura
Acadêmico: J J Cruz
Cadeira: 28
Patrono: Antero de Quental
Postagem de: 29/06/2.024

sábado, 29 de junho de 2024

Talvez minha saudade seja...

Hoje...apenas senti saudade... tanta saudade!!
Tanta, que percebi que não sei o que ela seja.
Se é dor, se é uma tentativa de fugir da solidão
Ou se é o ontem voltando no vazio de uma ilusão

As lágrimas se misturam com sorrisos sem cor,
Os olhos se perdem molhados, bordados de prantos
O silêncio grita, como fosse a alma chorando aflita
E apenas a saudade, melancólica, se faz encanto

O que seria a saudade? A dor de uma recordação?
A Busca do que se foi, mas continua dentro da gente?
A perda de um pedaço de nós que faz a alma carente?

Quem sabe minha saudade seja alguma coisa assim,
A doce lembrança que ficou dos infinitos momentos
E um triste sentimento que me faz ter pena de mim?

AMCL; Academia Mundial de Cultura e literatura
Acadêmico; J J Cruz
Cadeira: 28
Patrono: Antero de Quental
Postagem de: 29/06/2.024

sábado, 1 de junho de 2024

Hoje queria ser criança.

            Hoje eu queria ser uma criança... sim, uma criança
Sorrir apenas por sorrir, apenas por ser inocente.
Fazer bolhinhas de sabão, em cada uma um beijo
E que fossem alegrar todos os corações carentes

Queria brincar nos jardins... nomeando as flores,
Dando nome às borboletas, fazendo versos infantis
Todos alegres, para fazer sorrir as crianças tristes
Para mostrar com a alma que a alegria ainda existe

Hoje queria ser criança...gritar alto para os adultos
Sem medo, com meu sorriso puro de ainda criança,
Que deixem que exista o amanhã e eu possa crescer

Hoje eu queria ser criança, alegre, brincando de viver
De fazer pedidos para a misteriosa estrela cadente
E, entre sorrisos, não ter medo de crescer e de ser gente

AMCL: Academia Mundial de Cultura e Literatura
Acadêmico: J J Cruz
Cadeira: 28
Patrono Antero de Quental
Postado em: 01/06/2.024