quinta-feira, 21 de março de 2013

O que o destino deixou.

Sinto-me tão pouco, em perene vazio sem fundo
A flutuar entre as tantas lembranças que perdidas
Se fizeram retalhos de sonhos mortos, sem cor
Sentindo na alma o que a vida fez por mero rancor

Deixou que a saudade se fizesse dor, só pra mim
Guardou, entre meus travesseiros, a cruel solidão
Deixou que as noites me fossem clara companhia
E me disse baixinho que ela, a vida, era só ilusão

O destino me olhou como um olhar de desdém,
A vida, por tantas perdas, me deixou um ninguém
Um sonâmbulo que sonha e não sabe com quem

Deixou um caminho perdido que não sei onde vai
Um horizonte distante sem estradas para chegar
No peito...uma vontade tenaz de apenas chorar


José João
21/03/2.013






2 comentários:

  1. Um belo soneto!
    O destino, para alguns, é o "mocinho" e, para outros, o "vilão"...pela "herança" deixada!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  2. Magnífico e precioso José Poeta João !!! Como sempre me comoves com tuas letras ...lindasssssss !!! Um grande Abraço meu Amigo Pedro Pugliese

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...