quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Quando a palavra é adeus



De súbito,  tudo parou em minha frente, até a palavra
Que ficou presa na garganta, sufocada, triste, tétrica
Como se demente. Sem som, sem cor e sem voz
O silêncio pulou de dentro de mim como fera feroz

A fazer-se forte, com um amargo gosto de angustia
Tudo ficou parado, o olhar se perdeu entre paredes
As mãos pendiam caídas, sem força, desfalecidas
As pernas tremiam numa dança ridícula e descabida

De dentro do silêncio se ouvia o eco de uma palavra
Que agora parecia um grito dentre tantas outras ditas
Uma palavra, apenas uma, que deixa tantas almas aflitas

O mundo continuou parado, a alma continuou demente
Nem orações foram rezadas nem feito pedidos pra Deus
Ele apenas conforta  quando a palavra dita é... adeus


José João
16/01/2.012






2 comentários:

  1. Percebe-se muito bem sua vocação, isto é ótimo!

    ResponderExcluir
  2. John Lennon. Obrigado pela visita, os poetas também se envaidecem com comentários vindos de um artista tão especial como você. Este blog está a sua disposição. Visite-o, use-o e esteja a vontade para comentar. Um abraço.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...