quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Silêncio da alma




Esse barulho infernal do silêncio
Me deixa como se estivesse surdo
Sem nada ouvir, como se o mundo
Estivesse louco, ou estivesse mudo

Meu grito, que também não é ouvido
Nem cria eco, se perde entre noites
Mal dormidas, consumidas por sonhos
Que agora já nem fazem mais sentido

O barulho infernal do silêncio continua
Faz companhia para a devassa noite nua
Que namora despudorada um raio da lua

Que me olha cínico, irônico, em zombaria
Dizendo que pela lua, sem medo, ele jura
Que minha alma é triste por ser ainda pura


José João
26/09/2.012



Um comentário:

  1. José João...querido belo discorrer de fortes palavras ...Com o meu carinho Pedro Pugliese

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...