sábado, 19 de março de 2011

A gaveta do poeta

Ao poeta foi permitido
A magia de ver o invisível.
Põe sua idéias e emoções
Dentro de uma gaveta qualquer,
Sem chaves, sem trancas, sem medos
E deixa que a abram.
Só ele sabe o tesouro que guarda,
Os outros o chamam de louco
Por acharem a gaveta vazia,
Mas dela, saem sonhos dourados,
Saudades distantes...
O poeta em sua gaveta guarda até o tempo,
Guarda estrelas, flores,
Guarda até mesmo pensamentos.
Na gaveta do poeta estão guardados
O silêncio, a saudade, ilusões,
Até versos ainda não escritos...
Nela o poeta guarda todas as palavras,
Ainda que em desordem,
Mas sabe busca-las quando precisa,
Sabe onde está cada uma delas,
Por vezes nem é preciso abrir totalmente a gaveta.
Muitos e muitas vezes perguntam se ela é mágica,
Por caber ou guadar tanto...
Outras, por não conseguirem vê-la, coitados!
Acham que não existe. Entretanto
Há momentos, que até mesmo o poeta
Não consegue abri-la, em outros
Seus guardados saem tão efusivamente,
Quase que fugidos, e lá vai o poeta
Busca-los lentamente no tempo,
Como o  passado, uma saudade antiga, o silêncio,
E por vezes, até o homem que guarda
O próprio poeta.
E assim ele guarda seu tesouro
Em uma gaveta  que alguns acham que não existe,
Outros acham que é magica,
E só mesmo o poeta sabe abri-la,
Com um simples toque de coração,
Ou talvez de ... saudade.
.

3 comentários:

  1. É verdade João, todo poeta tem sua gaveta, e só ele sabe o valor do que nela contém, ou alguém de alma sensível entenderá toda sua importância.
    Mais uma bela poesia. Parabéns querido.

    ResponderExcluir
  2. Meu amado poeta João, sempre emocionando com seus sentimentos.
    Lima Coelho

    ResponderExcluir
  3. Meu amado poeta João, sempre emocionando com seus sentimentos.
    Lima Coelho

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...