segunda-feira, 6 de março de 2017

A poesia que a tristeza escreveu

Pensamentos se vão perdidos voando soltos,
Seguindo rastros em caminhos entre nuvens,
Como se  estas pudessem ser marcadas
Por passos, por lágrimas ou saudades.
O espaço se comprime dentro do peito,
Que se faz mundo para suportar a dor,
Essa dor que invade a alma, que fica
E faz morada como se dona do tempo ela fosse.
Tudo é triste, a casa vazia se enche de silêncio
E uma angustia tão grande quanto densa
Toma conta  de um coração em que o pulsar
É apenas uma outra maneira de chorar.
A casa se faz imensa, as portas se fazem grades
E as janelas são como meus olhos, abertos,
Mas sem nada ver... olham para o nada...
Dentro de mim como se eu fosse uma casa vazia
A solidão aplaude os versos que a tristeza recita
A angustia pede bis, mas a tristeza diz não,
Quer recitar versos novos, diz que tem tantos,
Como se cada uma de minhas lágrimas
Fosse luz em sua inspiração. Ah! Saudade!
Vou olhar estrelas, talvez assim, quem sabe,
Uma me grite alegre: Me olha ... me olha
Sou o reflexo dos olhos dela.

     José João
     (reedição)
      02/04/2.012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...