quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Minhas duas lágrimas

Chove lá fora, como se a natureza quisesse chorar
Toda a dor que sinto, como se soubesse da minha 
Carência de lágrimas, choradas por tantas outras dores,
Adeus, saudades que ficaram e nunca passam.
O vento, como se cantasse uma canção sem nome,
Como um balbuciar desconexo insiste em fazer-se
Minha voz chorando uma dor que é só minha...
É noite, é chuva, é vento, é tristeza, é solidão...
As lágrimas caem como fossem orações perdidas,
O pensamento se perde em vontades loucas,
Erra os caminhos, confunde-se com o tempo...
As vezes quer ir e nem sabe pra onde, apenas ir
Como se a dor não fosse junto. Outras vezes,
Incoerente, volta ao tempo como se não tivesse
Ficado dores que apenas estavam escondidas
Dentro da alma prontas para serem dor outra vez.
Abro a janela, o vento acaricia meu rosto,
A chuva, deitada na calçada, vai irreverente,
E.. de repente... uma lágrima pulas dos olhos...
E mais outra, e vão... se misturam com a chuva
Até onde irão? Minhas duas lágrimas...
Tão pequeninas, mas tão valentes levando com elas
Um pedaço de mim e... de minha alma....


José João
05/01/2.017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...