terça-feira, 30 de agosto de 2016

Nem sempre amar é só amar.

Minhas palavras se perdem dentro do meu silêncio,
Não que elas não tentem gritar, voar em liberdade,
Como fazem meus pensamentos, mas é que a voz,
Se perde entre os soluços que insistem em chorar
O nome dela. A alma, como passageira dos sonhos,
Voa entre os horizontes, por caminhos sem chão,
Em desesperados e perdidos volteios, e vai...
Se perde, volta, sem nenhum lugar onde possa estar.
Onde possa esconder-se da tanta dor que a aflige.
As lembranças, como cascatas de sonhos perdidos,
Correm no tempo  como se a dor, delas precisasse
Para doer mais. O tempo pára, os olhos ardem,
O coração dispara, e uma saudade, dessas que dói,
Se faz do tamanho da vida, como se nunca mais
Fosse passar. E uma angustia, dessas que faz
A loucura falar em delírios o que não se quer falar,
Diz baixinho pra alma da gente, o que não se quer
Ouvir: Que amar...também é chorar.


José João
30/08/2.016

2 comentários:

  1. Que desespero, fiquei angustiada, dor, saudade, angústia, lembranças de sonhos perdidos.... Loucura de solidão... Que vazio senti Vou morrer, bem devagar.

    ResponderExcluir
  2. Que desespero, fiquei angustiada, dor, saudade, angústia, lembranças de sonhos perdidos.... Loucura de solidão... Que vazio senti Vou morrer, bem devagar.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...