terça-feira, 7 de junho de 2016

Do tamanho da vida.

É no meu silêncio que encontro a mim mesmo, 
É a liberdade que a solidão me permite e se faz
Como fosse um pedaço do tempo ou de um mundo
Feito pra mim. Nela busco as histórias que vivi,
Sejam de angustias, de dores, tristezas, saudades,
Até sorrisos que uma vez ou outra a vida permitia.
Prantos, as vezes chorados sem aparente razão,
Quando a alma confunde amor e paixão, e por esta,
Também se chora...  mas só até qualquer amanhã,
Mas quando é amor, esse amor que entra na gente,
Que deixa os dias repletos de quem se ama. Ah!
Aí os amanhãs se fazem eternos, solidão e silêncio 
Se tornam intensos, do tamanho da dor que insiste 
Em se fazer infinita, muito maior que o adeus,
Do adeus que não se queria ouvir (o que dói mais)
É dentro do silêncio que me faço voz... e só dentro
Da solidão, amo outra vez o que nunca deixei 
De amar com a ternura de uma saudade...
Do tamanho da vida,


José João
07/06/2.016






Um comentário:

  1. A vida é feita de adeus (também)...
    Muitos, as vezes, a única opção.
    Bjus

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...