terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Essa dor que dói tanto

Ah! Essa dor que me dói tanto! Que se faz e fica
Como se fosse pecado a se fazer vivo cortando a carne,
Me deixa aflito, a alma aos gritos soluçando blasfêmias,
Gritando rezas inacabadas em demente contrição.
E ela, a dor, se faz mais forte, mais forte ainda
Quando lá vem a noite carregando no colo a solidão.
Aí então, meu ombros se curvam, o corpo se contrai
Como se quisesse fazer-se menor, como se assim
A dor se fizesse menos. A cama se faz em espinhos,
Como se cada visgada da dor fosse um pecado
A ser pago com o sofrimento do corpo e da alma.
O tempo se arrasta dando sonoras gargalhadas,
Se faz lento, conversa com a angustia que fica
Sorrindo baixinho ao ver meu corpo contorcer-se
Em convulsivo pranto, a banhar-se com ele
Como se dele fizesse balsamo para aliviar sofrer.
E a noite com o silêncio sussurrando em meus ouvidos
Diz que amanhã será um outro...mesmo dia.


José João
03/12/2.013





3 comentários:

  1. Nossa poeta.... tão triste.... que dor torturante!!!! Precisar dá um fim nesta dor tão doida. Um bj viu.

    ResponderExcluir
  2. JOSÉ JOÃO !!! SEU LOUCO POETA !!! QUE COISA MAIS LINDA !!! COMO CONSEGUES CARREGAR NO COLO A SOLIDÃO !!! SÓ VOCÊ MEU AMIGO E PARCEIRO PODE FAZER ESTAS COISAS LINDAS !!! NÃO !!! NÃO ME DIGA O NOME DO ANJO QUE TE ILUMINA !!! DEVE SER UM LINDO QUERUBIM !!! DOIDINHO PRA AMAR E AMAR !!! UM GRANDE ABRAÇO DO SEU FÃ !!! Pedro Pugliese

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...