quarta-feira, 3 de julho de 2013

Ainda há quem diga que sou poeta!!


A brisa docemente me caricia o rosto, com carinho de mãe
Que sente a dor do filho, de sua alma, e chora com ele.
E me deixo ficar como criança carente, silenciosa e triste.
No jardim, bem em minha frente, perfumado, colorido,
Onde o movimento da vida se faz completo e perfeito, 
Os rouxinóis, os bem-te-vis, em infantil algazarra, voam,
Se beijam, batem alegremente as asas saudando o dia,
Cantam alegremente uma desencontrada mas perfeita sinfonia,
As notas musicais se perdem alegres e soltas, sem palavras
Que possam traduzir a beleza do canto, e a alegria do momento,
Só não um sabiá, que sozinho, escondido num roseiral,
Canta triste, destoando de tudo que se ouve ou vê 
 - menos de mim -  Um gorjeio triste, cheio de lágrimas,
Em cada pausa do canto, talvez um doloroso soluço,
Quem sabe esteja chorando uma perda, uma saudade!
Lá, bem longe, num colorido e melancólico horizonte,
Lá onde os olhares sonhadores dos amantes se perdem,
Em sonhos, em desejos, até em saudades de amores distantes,
Onde o silêncio se faz canção gritando dentro da alma,
Orações que não fazem milagres, só deixam  esperanças vazias
Como ilusões que a vida finge serem verdades.
E eu tão triste, como o sabiá do roseiral, só pude chorar,
E não soube nem fazer desse pranto uma poesia.
Ainda tem quem diga que sou poeta!!!!


José João
03/07/2.013

4 comentários:

  1. Escrevendo desse jeito que poderá dizer ao contrário!
    Muito lindo o escrito amigo, podes ter certeza!
    Tens um jeito só seu de escrever
    Beijos! Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo

    E quem escreve desta maneira sublime é poeta MESMO, adorei ler e agradeço a carinhosa visita.Volte sempre.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosa Maria, minha querida sonhadora. Obrigado pelo comentário tão amável. Um abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...