segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Pranto, flores e primavera

Ouço a voz do vento cantando para a primavera,
Só sei chorar. Ouço a brisa soluçando uma canção
Que não sei cantar. De repente um pranto cai
E grita chorando uma saudade que com ele vai

Por caminhos que não vi nem sei onde vão parar
Do meu peito um soluço, sai teimoso a procurar
A liberdade que procura para se fazer de voz
Mas o tão triste silêncio da solidão o faz calar

Meus passos se perdem nas estradas que não sei
Se são estradas ou labirintos a se fazerem chão
Em que os bouquets coloridos são feitos de ilusão

A alma e pensamento se confundem em apenas um.
Com o perfume da primavera o pranto se mistura...
E vão indo com as flores como se fossem  pintura




4 comentários:

  1. Jaum,

    Pranto, flores e primavera, permita-me? É uma excelente mistura, que não cura, pois a poesia não é remediável, mas digamos que acalma, e fazem ecoar os gritos da alma.
    Abraço,
    Alice.

    ResponderExcluir
  2. É maravilhoso como um poeta consegui transformar a solidão, a tristeza, o pranto numa poesia tão bela... isso chama-se ...dom! Bju neste coração tão especial.

    ResponderExcluir
  3. um soneto belo, onde a solidão e a tristeza lhe dão o mote.

    muitos parabéns.

    um beijo

    ResponderExcluir
  4. Este cheiro da Primavera que nos inspira e faz este canto maravilhoso.Gostei de sentir este romantismo bem declarado de seus textos.Parabens amigo e grato pela visita que me trouxe para uma viagem bela.
    Bom fim de semana.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...