segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Um dia



Como o dia daquele adeus, talvez me sejam todos os outros.
Como esquece-lo? Se ele grita toda essa dor dentro de mim!
Se fez de sempre, como se apenas um dia fosse eternamente
Me fez como se tudo fosse nada deixando até a alma carente

E eu a orar-te pelos caminhos que passo, chorando teu nome
Gritando ao tempo, e o eco dele voltando como dor sentida
A invadir-me até os sonhos e a fazer-me da alma um só ferida
A voar entre horizontes perdidos, como ave que voa perdida

Adeus. Palavra que se faz viva, que de tão forte se faz pedra
A crescer, pontiaguda dentro do peito, sufocando os gritos
Que seriam gritados não fosse até o silêncio calar por tão aflito

Um dia. Como se o sol estivesse se escondido entre os prantos,
Como se o mundo calasse em silêncio, assim como por encanto,
Como se tivesse ficado mudo e o silêncio engolido o canto.


José João
07/01/2.012





2 comentários:

  1. É poeta, quantas vezes na vida dizemos adeus e também nos dão... e alguns são doloridos... faz parte.

    ResponderExcluir
  2. Olá José, boa noite.
    Estou passando por aqui pq acabo de indicar teu blog para o selinho literário. Se quiser, passe lá no Blog para buscá-lo.
    Bjuss!!
    http://poemaseversoslovestories.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...