sábado, 5 de janeiro de 2013

O mundo em minha volta


Me perco na triste mudez do meu silêncio
Minha voz cala, minha alma chora vazia,
Meu mundo, só agora eu vejo e sinto,
Que era cheio de nadas...mera fantasia

Risos fingidos, palavras apenas faladas
Indo ao vento por tão leves, tão mentiras
Já se perdiam na própria voz que falava
Mas eu? Sonâmbulo demente...acreditava

Ah! Como é difícil ver o mundo em volta
Quando corações se fazem pedras frias
Gritando pra gente palavras tão vazias?!

Como é fácil perder-se em rezas fingidas!
No sussurro falso de ternas juras de amor
Em que a alma escondida não mostra a cor!


José João
05/01/2.012



 







2 comentários:

  1. Poeta, boa noite!

    Lindo soneto.
    É assim mesmo, entenda que muitas vezes perder-se é uma forma de se encontrar. Dissestes que "a alma escondida não mostra a cor", mas nós, poetas, assim digamos, temos uma sensibilidade maior e raramente nos enganamos.
    Existe um mundo à sua volta e um outro dentro de ti. Olha para o que te faz bem!
    Abraço poético,
    Alice.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...