segunda-feira, 28 de maio de 2012

Minha conta


Minha conta, paga-la talvez não possa nunca
Quanto em lágrimas seria para pagar tanto?
Se desde muito até minha alma comigo chora
Mas de onde? De onde? Tirar todo esse pranto?

Absurda conta a mim cobrada, e até não sei
Porquê de tanto debito, e onde foi que errei
Entreguei tudo como louco e apaixonado amante
Até olhei com os olho dela e como nunca eu amei

Será que amar tanto assim é o mesmo que pecar?
Mas que mundo é este que faz de amante um pecador?
Julgado, condenado por ter vivido um grande amor

Essa tanta dor que a vida cobra não é uma remissão?
Esse grito na garganta chorando a perda, a solidão
Será que essa alma já não merece um perdão?


José João



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...