terça-feira, 4 de outubro de 2011

O provedor de lágrimas

Quanta dor ao peito aflige em triste angústia
Quanto pranto, por tristeza, derramado!
Mas que seria da alma muda e silenciosa
Não fosse, por sorte, o prazer de ter chorado?

Chorado um pranto que, mesmo triste, ainda é belo
E nela, na alma, que bom a saudade ter ficado
Assim o tempo não se faz cruel carrasco
E da alma, o pranto, é prazer por ter amado

Por destino o tempo, para a alma, não é passageiro
Nem tão pouco a alma, para o tempo, é viajante
As duas existências se confundem e por tanto
De eterno para a alma também será o pranto

E eu, da alma, pequeno espaço a contentar-me
A ser somente provedor de lágrimas e de pranto
Que em soluços e tristes ais se vão ao tempo
Apagando lembranças do que um dia foi meu canto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...