terça-feira, 13 de setembro de 2011

Eu, uma história que invetaram

Sou aquele sozinho que todos acham triste,
Aquele que chora desde quando ficou vivo
Sou a própria solidão que tanto insiste
Em me deixar sozinho e a ela ficar cativo

Sou aquele que anda na multidão e não é visto
Que grita a dor da alma e por ninguém é ouvido
Sou o nada, que por nada ser até insiste
Em viver, mesmo já sem ter qualquer sentido

Sou menos que eu mesmo, sou apena o meu grito
Que sai do peito como louco procurando aflito
Qualquer sonho que o faça fazer-se de infinito

Sou enfim, o mais esquisito sonho que sonharam
O sonho que se sonhou mas que nunca é lembrado
Sou, talvez, apenas uma história triste que inventaram



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...