segunda-feira, 20 de junho de 2011

Velhos guardados



Ontem estive revendo velhos guardados dentro da alma,
Sonhos antigos, amores mal resolvidos,
Lágrimas choradas por dores agora tão descabidas.
Saudades que nem sei por que senti
Momentos que se foram sem dizer nada
Outros que eternamente ficaram dentro da alma
Como se fosse preciso estarem sempre vivos
Fazendo de sempre o que podia ser nunca...
Revi sorrisos que se perderam no tempo,
Palavras que me foram ditas com angustia
Outras que disse sem motivos para falar.
Algumas tão sinceras que a alma chorou ao dizer
Mas não foram acreditadas e daí nada nasceu.
Todos esses guardados, ontem se fizeram vivos,
Revivendo histórias que nem lembrava mais.
Mas de todos eles, um tomou de subito minha alma,
Foi a lembrança de um olhar que me disse adeus.
Como se os olhos gritassem ou gemessem
O adeus mais doloroso que ninguém nunca ouviu.
Tremi, como se tudo voltasse como foi antes,
Chorei como se fossem as mesmas lágrimas
E as cicatrizes se reabriram em chagas mais dolorosas
Por que foi um adeus que não era para ser dito,
E a ausência deixou um vazio tão grande
Que  até hoje minha alma se sente incompleta
Partida em fragmentos perdidos num adeus
Tão adeus que só os olhos falaram.
Esses velhos guardados dentro de minha alma
São reliquias que o tempo não apaga nunca.

José João




2 comentários:

  1. Quem dera todos nós soubéssemos expressar nossos sentimentos,mas só quem tem esse privilégio são voces "poetas",com um dom talvez divino.
    PARABÉNS!!!!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...