quarta-feira, 15 de junho de 2011

No fim do horizonte

Lá no fim do horizonte, lá bem além de tudo,
Onde só se chega em pensamento
Por que as estradas são infinitas espirais,
Lá onde o pensamento se confunde com o eco
Lamuriante de um gemido que a alma chora
Entristecida como se a dor de ontem fosse sempre,
Nesse horizonte de lembranças perdidas
Em que as lágrimas se fazem palavras
Por que as palavras  se fazem tão pouco
Como se elas não bastassem para falar de dor
Por que as feridas permanecem chagas vivas
E palavras não traduzem a dor da alma
Assim ela busca abrigo nesse horizonte distante
Onde nunca aconteceu nenhuma história.
Onde a tristeza pode lapidar-se imaculada
E tão pura que até a saudade se torna corpo
Límpido, denso com gosto de solidão.
É nesse horizonte que meus pensamentos
Se encontram quando todos me acham perdido
É este horizonte que costumo nomear de: EU


José João
15/06/2.011

Um comentário:

  1. Porque todo poeta tem a alma triste? O que falta? Sua poesia é linda, mas é de uma tristeza profunda...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...