quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A perda





Tristes sonhos que em mim fizeram
Covardes medos da aurora aberta
Em que a busca talvez perdida
Me torne a vida quiçá deserta


Fulgores lívidos na alma pálida
Que perde a cor como seda ao sol
Que deixa triste um alegre canto
Que mata as flores do arrebol


Minha alma chora como chora o vento
Ao ver a flor no chão pendida
Que em sussurros chora em silêncio
Por que agora sabe que lhe vai a vida


Por entre os sonhos a verdade foge
E eu, covarde, me entrego ao pranto
Minha voz se cala em meu desespero
E faz que à vida eu não tenha zelo


E assim me perco do que encontrei
Após tantas vidas em que busquei,
Tão perto estive que o perfume doce
Me tomou as lágrimas que já chorei.


José João

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...